O homem por trás do iOS

9 02 2011

Todos os dias vemos notícias sobre lançamentos de novos smartphones, tablets, torradeiras e fornos elétricos. Isso já é cotidiano, pois esses gadgets (exceto a torradeira e o forno elétrico) estão se tornando cada vez mais comuns, logo lançamentos atraem bastante atenção da mídia.

E é impossível falar na dupla smartphone/tablet sem lembrar do sistema operacional que quebrou vários paradigmas quando foi lançado: o iOS.

Desde o primeiro iPhone, em 2007, o iOS mostrou-se robusto, estável, com uma grande variedade de aplicativos e, principalmente, intuitivo. Com o recurso de multi-touch o iPhone foi (e ainda é) um sucesso absoluto, e grande parte desse sucesso se deve pelo sistema operacional excelente.

Mas quando falamos no iOS logo lembramos da Apple, e não há como lembrar da Apple sem pensar no homem por trás disso tudo: Steven Paul Jobs, mais conhecido com Steve Jobs.

Nascido em 1955 nos Estados Unidos, Jobs é hoje um dos nomes mais influentes do planeta. Os lançamentos da Apple são guardados a sete chaves e causam grande buzz quando chegam, sejam pelos recursos, pelo design ou simplesmente pelo marketing bem feito. O que não se pode negar é que o “Estevão Trabalhos” é excelente em uma arte: administrar.

Veja esse trecho da Wikipedia:

Sob a orientação de Jobs, a Apple aumentou suas vendas significativamente depois destas inovações implantadas por ele e sua equipe. O iMac foi o primeiro computador introduzido no mercado com várias características avançadas, principalmente pelo seu design inovador e pelo material utilizado, basicamente o plástico translúcido e colorido, o que decretou a morte da cor padrão para PCs (o bege), e a partir de então muitos deles passaram a usar este tipo de material nos produtos de informática em geral. Desde então, Jobs vem trabalhando muito em idéias criativas deste nível e obtendo sucesso de vendas com elas.

De forma resumida: o cara saiu da Apple e, depois de 11 anos, voltou para evitar que a empresa falisse. Deu tão certo que hoje (dados até 2010) a Apple é a 39ª marca mais valiosa (segundo a Business Week) do mundo, a frente de empresas como Siemens (44ª), Harley-Davidson (45ª), Philips (48ª), Accenture (49ª) e Volkswagen (56ª). Note que estamos falando em valor da marca (brand value), e não em faturamento.

Jobs é conhecido por ser um cara, digamos, excêntrico. Budista, tem o costume de andar descalço e de bermuda, reduziu seu salário na Apple a 1 dólar, e ao mesmo tempo tem uma fortuna estimada em 2009 de 5.1 bilhões de dólares. Extremamente perfeccionista e deseja sempre alcançar a simplicidade e funcionalidade máxima em cada produto. Acredita que a equipe organizadora é fundamental em todo o processo, porém, segundo o filme Piratas do Vale do Silício, que conta a trajetória de Jobs, ele tem características de um déspota, onde ele é o grupo de um só homem. Apesar de inúmeras controvérsias apresentadas em seu modo de ser e administrar, e por muitos sendo tomado como “insuportável” (Wikipedia)

Esse é o figura: simplesmente eleito o CEO da década...

Com todo esse jeitão ele é um grande exemplo sobre como uma boa administração, marketing e fidelização de clientes (ou distorção da realidade), além de bons produtos podem levar uma empresa ao sucesso. Um bom exemplo a se seguir.

Se desejar, veja o perfil dele no site da Apple clicando aqui. Também há o livro “A cabeça de Steve Jobs” que, dizem (eu ainda não li), é muito bom.

Se quiser comentar algo sobre essa personalidade do mundo tecnológico sinta-se a vontade, clique em “Deixar um Comentário” e manda ver!

 

Anúncios




E se você morasse em outro país?

20 01 2011

Muitas vezes pensamos em morar fora, sair do Brasil e tal.

Mas você sabe como seria essa vida em outro país?

 

Rapaz, não sei hein!

Lendo o Gizmodo vi um site muito interessante, chamado If it were my home.

Nesse site você compara vários pontos de sua vida no Brasil-sil-sil com sua hipotética vida em outro país. Vale a visita!

Acessem http://www.ifitweremyhome.com