Sobre comentários nas redes sociais

4 02 2011

Que estamos cada dia mais conectados não é novidade pra ninguém. Eu estou, você está, até a sua tia Maria está. E que a tendência é aumentar também não é nenhuma “notícia quentinha”, é fato.

Mas isso é bom ou ruim?

Depende de você! Conforme dito nos posts anteriores você deve cuidar de sua imagem na Internet. Se você construir uma boa imagem isso pode ser bom, se não, não.

E caímos em uma situação muito comum: as pessoas que acham que SEMPRE tem que comentar os eventos que ocorrem. E isso não é verdade! Como já diziam nossos avós, quem fala muito dá bom dia aos cavalos, ou seja, vai falar asneiras. E com isso você pode queimar muito o seu filme.

Então, meu amigo, não é porque alguém publicou algo que você obrigatoriamente precisa ter uma opinião. Seja sensato!

Para ilustrar esse post segue um fluxograma sobre comentários no Facebook, obtido no Gizmodo. Enjoy!

Imagem original by CollegeHumor





Diga não ao Internetês

2 02 2011

Miguxo, naum, eEEeuu, VooOxxxXxeE e outras aberrações semelhantes são, infelizmente, parte de nossa Internet. Mas porque eu devo evitar isso? Vamos analisar com calma.

De onde vêm essa desgraça cultura

O brasileiro, por natureza, gosta das coisas mais fáceis. Não, não to te chamando de folgado. Estou generalizando com base no que costumo ver, e acredito que não é seu caso. Pessoas desse tipo não gostam de estudar nem de ler, então esse público não chega nesse blog.

Voltando ao assunto, o brasileiro é chegado na Lei do Mínimo Esforço. Paralelo a isso, não gosta de ler. Resultado: português sofrível aliado à preguiça. Uma mistura explosiva!

Orkut + Português ruim + inglês ainda pior. Onde isso vai parar?

Esse efeito pode ser ainda mais destrutivo se esse português ridículo, ou pior, miguxês, estiver visível pra qualquer um. Se você não leu o post sobre sua imagem na internet a hora é agora, leia!

Você pode ser um excelente profissional, com um currículo muito bom, mas se no seu currículo tiver erros de português sua imagem já sofre um arranhão. Se o futuro empregador encontrar citações suas em miguxês na internet, aí meu amigo, a casa cai.

Nada pode ser pior do que, ao analisar um candidato, encontrar um comentário dessa pessoa em uma foto no Flogão (existe essa coisa ainda?) escrito no dialeto conhecido como miguxês arcaico. Algo mais ou menos assim:

OOoI miGuxxxOOo! LindaA foTuuuu! Bjuu, ti AmoO

Desculpem minha falta de fluência!

Então, uma citação bizarra como acima, além de causar descolamento de retina em quem lê pode jogar sua chance de contratação no ralo. Eu mesmo não gostaria de ter um miguxo trabalhando pra mim. Acredito que você também não.

E o que fazer?

Escreva corretamente, leia bastante para ter um bom vocabulário, pense antes de batucar qualquer porcaria no seu teclado. Tudo que você escreve um dia pode ser lido por alguém, e é melhor que esse alguém consiga ler sem pensar “Meu, quem foi o retardado que escreveu isso?”.

Ai meu Pai, ele escreveu xícara com CH!!!

Temos hoje em dia muitos dicionários na web, e mais, temos tempo para pensar. Em uma conversa falada você não tem a alternativa de pensar se a colocação de determinada palavra está correta ou se outra palavra seria mais adequada, porém escrevendo você pode muito bem abrir uma nova aba no seu navegador e encontrar um dicionário para ver se está escrevendo serto certo. Viu, dá tempo de arrumar! 😉

Lembre-se sempre: na Internet são necessários poucos segundos para te avaliar. Dessa forma, seja culto. Passe a melhor imagem possível, passe maturidade, não pareça um adolescente bobão.

Observação: nada impede de, em programas de mensagem instantânea (Skype, MSN, gTalk e até mesmo no ICQ, que está voltando com força total – ou não) você abreviar algumas palavras visando agilidade.

Mas eu disse abreviar, não escrever como o Tiririca ou trocar 98% das suas palavras pelos irritantes emoticons.





Cuide de sua imagem na web

1 02 2011

Responda rápido: se eu buscar seu nome na Internet que imagem farei de você?

É, simples assim. Vale muito bem aquele ditado que diz que “a primeira impressão é a que fica”.

Faça uma pause nessa leitura, abra o Google e digite seu nome. Avalie os resultados.

- Seu Jurandir, o candidato é conhecido na net como "Bebum do Tatuapé"...

Você, se fosse um empregador, gostaria do que viu? Se a resposta for não, é melhor começar a reconstruir sua imagem na web, afinal acredita-se que hoje quase 100% dos recrutadores pesquisam na Internet pelo nome dos candidatos que se aplicam a vaga, e mais, isso pode ser eliminatório! Pensando em um fluxo simples, o recrutador avaliou os currículos, selecionou os mais adequados e então fez uma “triagem digital”, onde os que tiverem comportamento inadequado na Internet são excluídos.

Mas Bruno, isso não é abusivo? A empresa tem que me avaliar pelo meu currículo e entrevista!

Não, não é abusivo. Está na rede, é público.

Dessa maneira pense muito bem antes de colocar na rede aquelas suas fotos caído, bêbado, em um churrasco. Pode ter sido seu único “porre” na vida, e você nunca mais fez isso, mas para quem vê aquela única foto pode trazer a impressão que você é um alcoólatra inveterado que bate na sua esposa. Tá, aumentei um pouco, mas vai saber o que passa na cabeça dos recrutadores né?

Outro ponto para atentar é em relação às suas opiniões. Em um trecho retirado do site Emprego & Negócio temos o seguinte:

Lembre-se que seu perfil, suas opiniões e até mesmo a forma como você se expressa podem ser acessadas por qualquer um, não somente para questões de trabalho, mas para outras questões, onde informações sobre você podem ser decisivas.

Não significa que você não possa expor suas opiniões, protestar, gritar, tomar partido…
Opiniões maduras e fundamentadas, mesmo que contrárias à ordem comum, são normalmente aceitas e até mesmo admiradas.

Há uma enorme diferença entre ser oposição ao governo atual ou militante de um determinado partido e, com argumentos mostrar isso; ou simplesmente publicar em todos lugares que “eu detestu a diuma”. Detalhe: NUNCA escreva na linguagem de internet! Falarei sobre isso futuramente.

Resumindo: não adianta ter uma boa imagem pessoal no mundo real, um bom currículo, bons amigos e ter uma imagem distorcida na Internet. A sensação de anonimato faz com que as pessoas divulguem aos quatro ventos coisas que normalmente não contariam pra ninguém, publiquem imagens constrangedoras, façam ataques a outros (muitas vezes de cunho até mesmo racista, o que é um absurdo), enfim, tenham uma postura inadequada.

E em um mundo onde com poucos segundos eu jogo seu nome no Google e faço uma imagem de você (imagem que pode nunca mais mudar) é vital que essa primeira impressão seja boa.

Mude o jogo. Se sua postura não era adequada tente apagar seu “passado negro”, tendo em mente que sempre vai ficar algo pra trás (mas é o preço a pagar pelos erros passados) e construa uma imagem melhor daqui pra frente. Sua carreira agradece.

Em tempo: publique nos comentários qual foi sua “primeira impressão” ao pesquisar seu nome no Google. 😉