Ronaldo e a aposentadoria

14 02 2011

Apesar de fugir um pouco do tema desse blog esse assunto nos faz pensar: quando é a hora de parar?

É muito complicado definir, pois quem não é atleta não ganha uma fortuna e não pode decidir quando aposentar. Mas podemos decidir COMO vamos nos aposentar.

Quer saber como? Com planejamento!

"Note que reduzindo seu custo com batata-palha seu orçamento terá um ganho significativo"

Estamos sempre sujeitos a imprevistos, porém com um bom planejamento podemos ter resultados próximos do esperado. O maior exemplo disso é quando queremos comprar algo. Vamos fazer uma conta simples:

– Valor do bem: R$ 20.000,00

– Orçamento mensal disponível: R$ 700,00

– Tempo “juntando” para chegar ao valor do bem: aproximadamente 28 meses

– Financiando em 48 meses, juros de 1,5% A.M.: R$ 851,45 por mês, total de R$ 40.870,00

Ou seja, estoura o orçamento, fica apertado e ainda paga mais do que o dobro. Bom negócio? Parece que não.

Muitas vezes precisamos financiar algo, mas se puder, evite. E nunca, jamais, caia na roubada de pagar o mínimo no cartão de crédito. Jurinhos de quase 14% não são legais de pagar.

O que eu quero dizer com isso? Que você deve ser bom em planejamento. Planeje seu futuro, faça uma previdência privada, junte um dinheiro, e principalmente, cuide de sua saúde. Assim você poderá desfrutar de uma boa aposentadoria, viver bem e curtir a vida.

Em tempo: Ronaldo, obrigado por tudo! Pelo exemplo de superação, pela Copa de 2002 e por tudo que representou ao futebol. Sem dúvida um dos maiores que eu vi jogar, junto com o Zidane.

Anúncios




O homem por trás do iOS

9 02 2011

Todos os dias vemos notícias sobre lançamentos de novos smartphones, tablets, torradeiras e fornos elétricos. Isso já é cotidiano, pois esses gadgets (exceto a torradeira e o forno elétrico) estão se tornando cada vez mais comuns, logo lançamentos atraem bastante atenção da mídia.

E é impossível falar na dupla smartphone/tablet sem lembrar do sistema operacional que quebrou vários paradigmas quando foi lançado: o iOS.

Desde o primeiro iPhone, em 2007, o iOS mostrou-se robusto, estável, com uma grande variedade de aplicativos e, principalmente, intuitivo. Com o recurso de multi-touch o iPhone foi (e ainda é) um sucesso absoluto, e grande parte desse sucesso se deve pelo sistema operacional excelente.

Mas quando falamos no iOS logo lembramos da Apple, e não há como lembrar da Apple sem pensar no homem por trás disso tudo: Steven Paul Jobs, mais conhecido com Steve Jobs.

Nascido em 1955 nos Estados Unidos, Jobs é hoje um dos nomes mais influentes do planeta. Os lançamentos da Apple são guardados a sete chaves e causam grande buzz quando chegam, sejam pelos recursos, pelo design ou simplesmente pelo marketing bem feito. O que não se pode negar é que o “Estevão Trabalhos” é excelente em uma arte: administrar.

Veja esse trecho da Wikipedia:

Sob a orientação de Jobs, a Apple aumentou suas vendas significativamente depois destas inovações implantadas por ele e sua equipe. O iMac foi o primeiro computador introduzido no mercado com várias características avançadas, principalmente pelo seu design inovador e pelo material utilizado, basicamente o plástico translúcido e colorido, o que decretou a morte da cor padrão para PCs (o bege), e a partir de então muitos deles passaram a usar este tipo de material nos produtos de informática em geral. Desde então, Jobs vem trabalhando muito em idéias criativas deste nível e obtendo sucesso de vendas com elas.

De forma resumida: o cara saiu da Apple e, depois de 11 anos, voltou para evitar que a empresa falisse. Deu tão certo que hoje (dados até 2010) a Apple é a 39ª marca mais valiosa (segundo a Business Week) do mundo, a frente de empresas como Siemens (44ª), Harley-Davidson (45ª), Philips (48ª), Accenture (49ª) e Volkswagen (56ª). Note que estamos falando em valor da marca (brand value), e não em faturamento.

Jobs é conhecido por ser um cara, digamos, excêntrico. Budista, tem o costume de andar descalço e de bermuda, reduziu seu salário na Apple a 1 dólar, e ao mesmo tempo tem uma fortuna estimada em 2009 de 5.1 bilhões de dólares. Extremamente perfeccionista e deseja sempre alcançar a simplicidade e funcionalidade máxima em cada produto. Acredita que a equipe organizadora é fundamental em todo o processo, porém, segundo o filme Piratas do Vale do Silício, que conta a trajetória de Jobs, ele tem características de um déspota, onde ele é o grupo de um só homem. Apesar de inúmeras controvérsias apresentadas em seu modo de ser e administrar, e por muitos sendo tomado como “insuportável” (Wikipedia)

Esse é o figura: simplesmente eleito o CEO da década...

Com todo esse jeitão ele é um grande exemplo sobre como uma boa administração, marketing e fidelização de clientes (ou distorção da realidade), além de bons produtos podem levar uma empresa ao sucesso. Um bom exemplo a se seguir.

Se desejar, veja o perfil dele no site da Apple clicando aqui. Também há o livro “A cabeça de Steve Jobs” que, dizem (eu ainda não li), é muito bom.

Se quiser comentar algo sobre essa personalidade do mundo tecnológico sinta-se a vontade, clique em “Deixar um Comentário” e manda ver!

 





Como cobrar por um serviço

3 02 2011

É muito comum na área de TI pessoas que trabalham por conta própria, os chamados freelancers. Além deles, também é comum que profissionais empregados aceitem propostas para realizar serviços fora de seu horário de trabalho.

Ambos se deparam com o mesmo problema: quanto cobrar?

Esse assunto é batido, muita gente já deu palpite, pode ser que até mesmo você já tenha lido algo. Portanto pretendo colocar aqui a minha opinião, não é a verdade absoluta. Você pode achar que é o melhor método, ou não. E, se fizer diferente, mande nos comentários como você faz!

Então vamos lá.

É extremamente importante levar em consideração quanto é o seu valor por hora. Se você não sabe, é uma conta fácil. Defina quanto você gostaria de faturar no mês (seja realista!). Com base nisso, divida por 160 horas, que são as horas úteis de um mês. Some a isso encargos, impostos, custos indiretos, e você terá seu valor hora. Mais ou menos assim:

– Valor desejado: R$ 1000,00

– Valor hora: R$ 1000,00 / 160 = R$ 6,25

– Acréscimos: 15% (impostos e outros custos)

– Valor final: R$ 6,25 + 15% =R$ 7,19

Supondo então que o serviço que você vai fazer irá demandar 100 horas trabalhadas. Então você deve cobrar R$ 719,00. Obviamente que você vai arredondar, então uns R$ 750,00 seria o ideal.

 

Essa é a melhor forma? Pode ser que pra você não!

Dependendo da sua experiência, do seu conhecimento e do quão raro no mercado é um profissional que exerce a mesma atividade que você, seu valor hora pode mudar.

Calcular é preciso

A lógica pode ser a mesma: sou especializado, gostaria de ganhar R$ 5000,00 por mês, logo minha hora bruta vale R$ 31,25 + encargos. Porém o mais comum é fazer uma base e estipular um valor hora previamente, com base no que é padrão no mercado.

Lembre-se: você sempre deve lembrar que em muitos serviços você terá custos. Então você deverá cobrar pelo serviço de forma adequada para não ter prejuízo.

Por exemplo, se no nosso exemplo do projeto de R$ 750,00 você tivesse que fazer duas reuniões com o cliente, em outra cidade. Cada deslocamento custa pra você R$ 50,00 de combustível e mais R$ 20,00 para almoçar, ou seja, você gastara R$ 170,00, além do desgaste do seu carro. Dessa forma, nada mais justo do que somar esse custo ao do projeto, então esse projeto poderia facilmente chegar ao valor de R$ 1000,00.

Mas Bruno, sou especialista, não há muitos profissionais como eu mas meu cliente não consegue arcar com R$ 30,00 a hora em um projeto de 100 horas!

O primeiro pensamento: não paga, não leva! Mas sabemos que a vida não é assim.

Se temos contas para pagar, estamos precisando de um extra ou coisas assim nos sentimos tentados a abaixar o preço ou cobrir o preço de um concorrente. Mas precisamos tomar muito cuidado, pois se você cobrar um valor muito baixo você ficará preso a isso, e nunca mais conseguirá se livrar dessa visão que o cliente fez de você. E pior: outros clientes que vierem por indicação desse irão querer pagar pouco.

Por causa de profissionais que abaixam demais o preço que temos um mercado difícil hoje em dia. Os famosos “sobrinhos” que cobram R$200,00 por um site e não oferecem qualidade, garantia e muito menos retorno prejudicam os verdadeiros profissionais, que estudaram e sabem o que estão fazendo.

Há mercado para todos. As empresas que já quebraram a cara com “sobrinhos” hoje em dia estão dispostas a pagar pelo real valor de um serviço. Portanto se você for abaixar o seu preço para tentar fechar um negócio seja coerente. Não vai dizer que o preço é R$ 2.000,00 e depois, pra fechar, dizer que faz por R$ 500,00. Isso é absurdo.

Forneça alternativas. Abaixe um pouco o valor, coisa de 10%, e faça uma nova proposta. Proponha um desconto maior pra pagamento à vista, proponha um parcelamento. Mas estabeleça um mínimo! Se sua hora custa R$ 10,00 tenha como meta nunca trabalhar abaixo de 10% do seu valor. Na proposta inicial jogue 10% pra cima, negocie. Tem que ser esperto.

Sempre teremos a concorrência no preço. Mas o seu diferencial tem que ser a qualidade. O valor é conseqüência.

Como diz a frase: Rápido, barato e bem feito: escolha duas dessas opções.

 

 





TI movimentará US$ 3,6 trilhões em 2011

20 01 2011

Em uma postagem anterior comentei sobre o que esperar de 2011. Vários pontos foram citados, muita coisa foi falada, mas não comentei a respeito do lado financeiro esperado para 2011. Então vamos lá.

O setor de TI movimentará US$ 3,6 trilhões em investimentos neste ano, aumento de 5.1%, em relação ao ano passado, revela o Gartner.

Segundo a empresa de consultoria e pesquisa em tecnologia, os números de 2010 foram de US$ 3,4 trilhões, 5,4% a mais em relação a 2009. Em 2010, as áreas de serviços de Telecomunicações e TI lideraram os investimentos, com US$ 1,59 trilhão e US$ 782 bilhões, respectivamente.

Neste ano, os serviços de Telecom e TI devem continuar no topo, apresentando crescimento de 3,4% e 4,6%, prevê a consultoria.

Fonte: INFO

A que conclusão podemos chegar? Simples: o mercado de TI ainda não atingiu o seu máximo, portanto vai continuar crescendo. Muitas áreas relativamente novas, que não existiam antigamente e que são diretamente relacionadas a outras vertentes estão crescendo bastante, como as relacionadas a marketing (marketing digital, marketing viral, etc), a vendas (e-commerce, b2b). Outras tecnologias vão ganhando força, como os mercados voltados à mobile e TV Digital, além do RFID que está cada vez mais usado.

Paralelo a isso as empresas estão notando que precisam de um ERP robusto e de um BI para auxiliar na tomada de decisões. Além disso é necessário gerenciar documentos e criar workflows, então precisam de softwares para isso paralelos a uma Gestão do Conhecimento eficiente.

Em suma, todo mundo está consciente que a TI é essencial por todos os lados. E isso tende a movimentar ainda mais a economia, o que é muito bom.